26.9.11

DADOS INQUIETADORES

por Marcos Inhauser
(Texto da sua coluna semanal no Correio Popular, Campinas) 

Recentes dados trazidos à tona pelas mídias, fruto de pesquisas feitas, revelam que o segmento religioso no Brasil passa por momentos que não são os melhores. O segmento que se diz não religioso aumentou significativamente. As igrejas históricas (católicos, presbiterianos, metodistas, batistas, luteranos) perderam parcela significativa de sua membresia. Os pentecostais históricos (Assembleias de Deus, Evangelho Quadrangular, Brasil para Cristo e outras) não estão mais crescendo nas mesmas taxas que cresceram anteriormente. As neopentecostais Universal do Reino de Deus e Renascer estão começando fazer água. A primeira teve queda de 25% na sua assistência e a segunda fechou 70% de seus templos.

Correm por fora a Mundial do Poder de Deus, a Internacional da Graça de Deus e a Assembleia do Malafaia. Podem estar tendo algum crescimento, mas creio que será temporário. É um modelo repetitivo, centrado na constante solicitação de dinheiro, fato que tem assustado a muitos e tem criado uma imagem falsa da igreja no Brasil.

Mais recentemente, o fato de que Edir Macedo e outros líderes da Universal tenham sido indiciados e denunciados por lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e fraude para arrecadação de fundos, foi mais uma gota de água nesta tempestade que estes senhores criaram no contexto das igrejas brasileiras. Juntamente com o casal Hernandez, acusados e presos por ingresso ilegal de fundos nos EUA, fundos estes que não foram declarados também quando deixaram o Brasil, associado ao fato de que há centenas de processos por não pagamento de alugueis e outras obrigações, trazem mais lama a este segmento religioso.

Traz-me curiosidade saber como pastores e líderes de igrejas tidas como sérias e que mudaram suas liturgias e forma de ser para encher seus templos com uma cópia do que os neopentecostais faziam, estão agora a ver e analisar a presente situação. Copiaram modelos que se mostravam viciados e agora estão perdidos.

Muitos líderes religiosos sérios estão a perguntar o que será daqui para frente. Lembro-me de haver lido um livro nos anos 90 que comparava a igreja a um navio em alto mar que estava debaixo de uma grande tempestade. Sabiam que o navio não afundaria, mas não sabiam onde estavam nem para onde estavam sendo levados.

A igreja não afundará porque, creio, não é invenção humana. Ela resistirá, tal como disse Jesus: as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Não significa que o inferno não vai adentrar a igreja (como creem muitos), mas que se o inferno entrar (e entrou muitas vezes, na minha opinião), não resistirá muito tempo a convivência de gente séria que tem como único objetivo louvar e servir a Deus. O que tem se servido da igreja para projetos pessoais de riqueza ou mesmo narcísicos, podem ter seu momento de glória, mas será efêmera.

Há uma igreja que precisa repensar sua forma de ser, buscar ser fiel aos ensinamentos de Jesus através de uma hermenêutica comunitária, com práticas de serviço ao próximo.

5 comentários:

Anderson Luiz de Souza disse...

Amado, não respondi seu último comentário e me senti realmente muito incomodado com sua preocupação com a fé e a regeneração minha e principalmente a de minha esposa.

O que está acontecendo?

Anderson Luiz de Souza disse...

Testar minha sinceridade? Em que? Sou sincero com meus amigos, com minha família e com meu Deus! Mas sinceramente não entendo sua preocupação com minha esposa, penso que cada um deve dar conta de si e no máximo tentar cuidar de suas esposas e não das esposas de outros! Por favor, não me incomode nem a minha esposa. Tento entender o porque das pessoas preocuparem-se tanto com a vida alheia. Dá para perceber o porque de seus alunos terem desviado, deve ser devido a sua insistência. DESCULPE, não quis ser grosso e muito menos mal educado com voce, mas sua insistencia me deixa realmente incomodado, queria muito que voce fosse sincero, qual o motivo de voce estar comentando insistentemente o blog de minha esposa? e agora até começa a colar os comentários que faz no blog dela em meu blog, por favor, tenha paciencia!

BeA disse...

Querido Anderson, como você pode perceber por este blog, estou - junto com a minha esposa - preocupado com a verdade e as ameaças à verdade entrando na Igreja. Minha preocupação com sua esposa é puramente espiritual. Tendo gasto uma grande parte da minha vida cristã empurrando o que é conhecido como o "evangelho moderno" [uma ênfase num Jesus "light" que ama todos, morreu por todos, que quer entrar no coração de todos, etc.], descobri a ênfase no evangelismo do NT, dos reformadores e da Igreja até, mais ou menos, 193O, e percebi que criava muito falso convertido.

Por isso eu me preocupo com o evangelho bíblico e a evangelização bíblica. A.W. Tozer disse que até 9O% dos membros das igrejas evangélicas são falsos convertidos! Há falsos mestres também, né?

Eu também me preocupo com as heresias sutis entrando nas igrejas. Sua esposa concorda com aspectos do "teísmo aberto", que é heresia. Vocês citam Ricardo Gondim, o porta-voz do T.A. no Brasil, direto!

Sou calvinista, e portanto eu não acho coerente afirmar que você abraça as doutrinas da graça enquanto vocês claramente abraçam ensinos anti-bíblicos como o T.A. também. Não acho coerente afirmar ser calvinista e negar ítens das confissões Westminster e batistas de Londres [e.g., a justiça, santidade e ira de Deus].

Eu colei meu comentário para SUA postagem no blog da sua esposa por que você respondeu assim depois da minha explicação:

Ok meu amigo, Muito obrigado pelo comentário, esteja sempre por aqui.

Graça e Paz!

Anderson

Eu só queria que você soubesse com quem você estava agradecendo! Por isso eu tentei colar este comentário sobre sua postagem. Parece que você não o gostou... não publicou meu comentário, né? Minha intenção não era ofender, mas incomodar alguém em relação ao estado real da sua posição diante de Deus ou o uso de fontes e idéias anti-bíblicas, eu não me arrependo.

Abraço,

Bill

Anderson Luiz de Souza disse...

Ok meu amado, talvez eu tenha lhe interpretado mal. Mas quero que saiba que não buscamos um teísmo aberto demasiadamente, mas sim buscamos apenas incluir os excluídos! Como posso falar que amo o pecador mas abomino o pecado sem que não dou chance a este pecador sequer de estar ocupando os bancos de minha igreja? Foi este o evangelho de Cristo? Se for, então me recuso a prega-lo, pois é separatista e exclusivista, o contrário do evangelho de Cristo que eu aprendi.

Também sou calvinista, e por isto também sei das atrocidades de Calvino, penso que não devemos idolatrar homens mas nos prender a Palavra, ou seja Cristo, o verbo que se fez carne!

Hoje não mais falo ser calvinista por isto, antes procuro expressar minha fé com atitudes, e por incrível que possa parecer, tem apresentado melhores resultados, experimente.

Com amor em Cristo,

Anderson
(desculpe ter sido rude no último comentário)

BeA disse...

Anderson, sem problema com os comentários. Estou acostumado com coisas bem mais fortes. T.A. tem a ver com quem é Deus. Como você deve saber, o T.A. limita o conhecimento, o poder e a soberania de Deus. Esta é a minha preocupação. Por isso eu ficaria o mais longe possível de uma teologia anti-bíblica e anti-Deus, se fosse vocês.

Sobre ser inclusivista, tudo bem. Mas nos dois sabemos que a tolerância do pecado não igreja tem seus limites [1 Co. 5.5; 11.3O].

Sobre "melhores resultados", estou mais interessado em agradar meu Rei do que encher minha igreja com falsos convertidos. A igreja é para os salvos... para equipá-los fazerem o ministério de evangelismo, etc. Vindo do país das igrejas "seeker-friendly" [as de Joel Olsteen, Rick Warren, Bill Hybels, etc.], na minha visão se a igreja se organizar em prol do descrente, vai ter que diluir o ensino da Palavra para acomodar o coração ímpio, rebelde e enganoso dessas pessoas. Enquanto tenta manter essas pessoas na igreja, acaba não alimentando o rebanho. Usa de todo tipo de artifício para atrair e manter essas pessoas, mas a igreja é para crente. É claro que o evangelho deveria ser pregado no contexto do ensino da igreja - como Paulo fazia questão de fazer em 1 Co. 15.1-6 - mas a prioridade é alimentar e mobilizar o rebanho!

Eu gostaria saber da sua reação a esses dois vídeos depois:

1. http://www.internautascristaos.com.br/sermoes-em-video/impios-na-igreja

2. http://www.youtube.com/user/defesadoevangelho#p/u/28/q7kY3f_RBnc

Talvez você me ache radical - e sou - mas eu prefiro ser radical com as coisas onde Deus é radical. Todos os exemplos de um Jesus "inclusivista" aconteceram com pessoas convencidas do seu pecado, quebrantadas. Com os orgulhosos, porém...

Um grande abraço, Anderson!